Fale conosco pelo WhatsApp

Descubra como funciona uma investigação conjugal

Descubra como funciona uma investigação conjugal

Nos dias de hoje, boa parte da solicitação de trabalho para um detetive se refere à investigação conjugal. Os ciúmes, a desconfiança, as traições, os contatinhos nos aplicativos de namoro ou conversa instantânea. Tudo isso faz com que esse trabalho seja cada mais requisitado no Brasil e no mundo.

A desconfiança entre os casais de namorados e casados pode terminar, sim, no escritório de um profissional desta área. De acordo com o site Mega Curioso, aproximadamente 70% dos investigadores particulares realizam apurações focadas nas questões amorosas.

No país, o número corresponde a aproximadamente 60 mil detetives voltados à apuração destes casos. Portanto, não são situações raras. Este é um nicho de trabalho bastante procurado e com uma boa demanda de trabalho. Mas, como tudo isso funciona na pratica?

Descubra como funciona uma investigação conjugal

Como acontece uma investigação conjugal?

De modo geral, a investigação conjugal inicia com uma reclamação e alguns fatores de desconfiança do companheiro (a). Neste primeiro momento, é necessário ter paciência e saber lidar com as emoções afloradas. Afinal, a pessoa precisa estar realmente desconfiada para dar esse passo.

A partir daí, o investigador pode dar algumas recomendações ao seu cliente. Por exemplo, é comum que o profissional indique a pessoa para conter as suas suspeitas e se apresentar com naturalidade em casa. O objetivo primordial é fazer de tudo para que a rotina de ambas as partes continue igual.

Assim, é preciso deixar a outra pessoa mais solta e muito a vontade. Isso faz com que a apuração dos fatos possa ocorrer com facilidade e sem levantar qualquer suspeita. É possível até inventar alguma justificativa para se ausentar mais de casa, viajando a trabalhando ou achando compromissos até tarde.

Essas atitudes são úteis para que o indivíduo investigado se sinta confiante para sair e se encontrar com esse provável amante. E, caso esteja acontece realmente uma traição, isso possa ser flagrado e devidamente registrado.

Com essa cooperação do contratante, o detetive particular dá início à investigação conjugal com o acompanhamento dos passos da pessoa. Ele pode se utilizar de câmeras de fotografia, celulares ou outros dispositivos para fazer fotos e vídeos de qualquer atividade suspeita.

Esta é uma etapa básica para qualquer investigação. Em um automóvel, moto, caminhando ou em grupo. O profissional vai se organizar para monitorar as ações e encontrar as provas necessárias. Isso desde o instante em que o alvo da operação sai de sua residência até o momento em que retorna.

Monitorando online e offline

Nos dias de hoje, a investigação conjugal não se realiza apenas nas ruas, mas deve ser feita também virtualmente. O profissional deve checar todas as possibilidades de traições. Deste modo, a tecnologia prima pelo uso de dados e faz cruzamentos bem interessantes.

Todos esses elementos precisam ser levados em consideração para que o contratante confirme ou refute totalmente as suas suspeitas. Portanto, a vida online do companheiro (a) faz toda a diferença.

Limites legais

O investigador particular age como uma espécie de paparazzo da vida da pessoa investigada de modo discreto e eficiente. No entanto, esse serviço precisa utilizar todos os mecanismos que são permitidos pela lei.

A Constituição Federal assegura o direito à privacidade a todos os brasileiros. Deste modo, o detetive particular precisa respeitar esses limites e agir de maneira licita.

Em contrapartida, o anonimato tanto do contratante e quanto de suas respectivas fontes também está previsto na legislação brasileira. Isso significa que o responsável por uma investigação conjugal jamais será obrigado a revelar o cliente e seus respectivos colaboradores.

Você acha que precisa contratar ou saber mais sobre uma investigação conjugal? Então, acompanhe os conteúdos disponibilizados no site da nossa empresa neste link.

solicite-um-orcamento-detetive-particular-luciana